início do conteúdo

MINICURSOS APROVADOS NO EDITAL Nº 15/2019 PARA A JENPEX/CFS

 

Resultado do Edital Nº 015/2019/CFS/IFMT de Minicursos na III Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão (JENPEX) do Campus Confresa 

I. Propostas aprovadas para o dia 31/10/2019 no período matutino (07:30 às 11:30 h):

1. Eixo temático: Ciências Agrárias
Título do Minicurso: USO DE BIOESTIMULANTES NA AGRICULTURA
Ministrantes: Danilo Nogueira dos Anjos e Hellenn Thallyta Alves e Mendes.                                                                   

Atualmente o uso de bioestimulantes na agricultura tem se difundido, a mistura de reguladores vegetais agem sobre o crescimento e o desenvolvimento da planta e podem apresentar alterações morfológicas, o que pode influenciar ou modificar os processos fisiológicos e exerce controle da atividade meristemática, porém seus efeitos podem ser contraditórios pois sua eficiência depende da dosagem, forma e épocas de aplicação. Este minicurso será ministrado no dia 31/10/2019 e realizado em duas etapas: teórica e prática. A parte teórica será ministrada em sala de aula com exposição dos conceitos sobre os bioestimulantes e seu uso na agricultura e a prática será feito na área experimental do Campus Confresa na área de cultivo da uva e terá como objetivo a abordagem sobre a ação dos bioestimulantes na fisiologia das plantas. Os recursos necessários serão: o bioestimulante, pulverizador costal, equipamento de proteção individual. Espera-se que esse minicurso sirva de instrumento para compreensão e aplicação deste recurso na agricultura.        

2. Eixo temático: Ciências Agrárias
Título do Minicurso:VIABILIDADE DO CONTROLE BIOLÓGICO DE DOENÇAS DE PLANTAS CAUSADAS POR PATÓGENOS FÚNGICOS
Ministrantes: Kellen Cristhina Inácio Sousa e Mônica Strege Médici                                                                               

As plantas são fundamentais para a sobrevivência da espécie humana assim como para a manutenção da qualidade da vida na Terra. Os Seres Humanos usam de suas habilidades e atribuições manipulando, aprimorando e aproveitando os recursos vegetais. Por outro lado, as práticas inadequadas e a pressão de seleção de patógenos têm alavancado as perdas e danos em lavouras das mais variadas espécies vegetais cultivadas por todo o planeta. Tendo em vista o exposto, a presente proposta tem o objetivo de explanar sobre o controle biológico de doenças causadas por fitopatógenos visando minimizar o uso de produtos químicos dispendiosos e altamente poluentes. Para tanto serão apresentados dados de dissertações e teses, assim como trabalhos publicados e alguns bioprodutos já vigentes no mercado brasileiro de insumos agrícolas. Também serão expostas algumas amostras de produtos biológicos produzidos por meio de pesquisa integrada por parte da primeira ministrante do minicurso. Outro aspecto relevante desta proposta é a exibição de práticas laboratoriais simples que podem ser executadas a fim de identificar potenciais agentes de controle biológico, sejam eles fungos ou bactérias. Estudos recentes, no Brasil e no exterior, vêm mostrando que a utilização de microrganismos (ou seus compostos metabólicos) pode atuar na redução da agressividade dos patógenos e pragas; no incremento do desenvolvimento vegetativo e, principalmente, na redução de gastos com a condução das lavouras. Pesquisas desenvolvidas em Universidades brasileiras, como a UFG e a UnB (Universidade Federal de Goiás e Universidade de Brasília, respectivamente) assim como por iniciativas privadas (como exemplo o AgroLab localizado em Goiânia – Goiás) estão viabilizando a condução de ensaios de aplicação destes bioprodutos em campos experimentais e, muito em breve, em lavouras agrícolas de pequeno e médio porte. Estes dados são de conhecimentos de algumas empresas da área de controle de doenças que tendem a aderir às propostas de cunho sustentável, fato este já observado em Congressos e Reuniões que contextualizam sobre as práticas agrícolas modernas. Ademais, acredita-se que no âmbito dos cursos de Agronomia e Ciências Biológicas os estudantes estão se pautando, cada vez mais, às mudanças apontadas pelo mercado. Cogita-se que, ainda neste século, teremos uma drástica alteração nos padrões de produção e consumo tendo em vista as significativas mudanças climáticas. Portanto, espera-se que os inscritos para participarem da execução desta proposta tenham suas concepções provocadas atentando para o uso racional dos recursos naturais e a viabilidade da efetivação do controle biológico aliado ao manejo integrado de doenças.

3. Eixo temático: Ciências Agrárias
Título do Minicurso: CURSO TEÓRICO SOBRE A PRODUÇÃO DE CERVEJA ARTESANAL
Ministrantes:Edson Luís Malheiros de Alcântara                                                                                                             

A Cerveja é um produto fabricado mundialmente, os primeiros registros de sua primeira produção datam de 6000 a.C., pelos Sumérios, na região da Mesopotâmia, que compreende atualmente o Iraque. Atualmente no Brasil, existem 889 Cervejarias registradas no MAPA, isto representa um crescimento de 700% em relação a 2009 em que existia apenas 100. O estado de Mato Grosso conta hoje com 12 Cervejarias registradas no MAPA, aparecendo em décimo no ranking de cervejarias no país. Estes números são reflexos de um mercado em expansão que conquistou milhares de pessoas. Grande parte deste crescimento se deve à produção caseira de Cerveja, isto é, a produção de Cerveja Artesanal nas casas dos Brasileiros. O presente minicurso tem a intenção de mostrar o que é necessário para a produção caseira de Cerveja Artesanal: Equipamentos, Sanitização e Ingredientes. As etapas da produção: moagem dos grãos, mosturação, filtragem e recirculação, fervura, resfriamento, fermentação, maturação. Serão abordados também: a história da Cerveja, suas características, as diversidades de estilos as Escolas Cervejeiras e a utilização de frutas Brasileiras, entre outros ingredientes nas Cervejas, característica que pode vir a qualificar o Brasil como uma Escola Cervejeira e também o que torna a Cerveja Artesanal no Brasil um Produto Agrícola. O minicurso será apresentado em programa interativo com imagens e vídeos. Os recursos necessários para a execução serão: Data show, laser e notebook. Ao final do minicurso anseia-se que os espectadores criem uma curiosidade pela Cultura Cervejeira, deixando de lado a visão imposta pelas propagandas de tevê e que os mesmos conheçam o incrível mundo da Cerveja Artesanal.                  

4. Eixo temático: Ciências Agrárias
Título do Minicurso: PROCESSAMENTO DE HAMBÚRGUER
Ministrantes: Leandro Alves Lacerda, Alinny Gonçalves Azeredo e Micaella Renata Moresco                                               

Os objetivos do minicurso são fazer com que o participante compreenda as etapas que compõem o processamento de hambúrguer; realize o processamento de hambúrguer, bem como consiga determinar sua formulação; conheça a legislação que padroniza a identidade e qualidade do hambúrguer para sua produção e comercialização. Para a realização do minicurso será necessário a utilização do laboratório de tecnologia de alimentos para a execução das práticas para o processamento do produto, que vão desde a escolha da matéria-prima até o armazenamento do produto final. Bem como a verificação da parte teórica de funcionalidade de todos os ingredientes que compõem a formulação e as características sensoriais do produto. O hambúrguer é o produto cárneo obtido de carne moída das diferentes espécies animais, com adição ou não de ingredientes, moldado na forma de disco ou na forma oval e submetido a processo tecnológico específico (BRASIL, 2017). Segundo Ordoñez (2005), pode ser considerado um derivado cárneo cru, por poder ser elaborado com carne picada, misturada com especiarias e aditivos e posteriormente conformada em moldes circulares e não submetido a tratamento de dessecação, cozimento ou salga. Como recursos será necessário utilizar o laboratório de tecnologia de alimentos, equipamentos como moedor, refrigerador, e utensílios diversos. Espera-se ao final do minicurso que os participantes sejam capazes de determinar uma formulação e executar todas as etapas de fabricação do produto com qualidade, obedecendo as normas recomendadas pela legislação. Bem como, empregar as melhores formas de armazenamento e conservação para sua comercialização.       

5. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: FORMAS GRATUITAS DE APRENDER INGLÊS SÓ, OU REMOTAMENTE GUIADO
Ministrantes: Telma da Silva Aguiar e Maiza Helena Condé de Sousa Mello                                                                       

O acesso à rede mundial de computadores e a canais de TV a cabo podem oferecer ao usuário uma possibilidade enorme de se expor a falantes nativos de línguas de qualquer lugar do planeta. Objetivamos o compilamento e compartilhamento de bancos de dados, abertos ao público que contenham informações, como podcasts, áudios, vídeos e até aulas em inglês. Mostrar e ensinar a usar diversos sites na internet e aplicativos que oferecem conteúdos gratuitos e que podem ser usados para aprender a língua inglesa é o objetivo deste minicurso. Como método iremos compartilhar de forma impressa uma listagem com o endereço dos bancos de informação e ainda faremos a demonstração, por meio de um projetor multimídia, passo a passo, como interagir com a ferramenta. Saber por onde começar e ter um objetivo a perseguir são necessários para que o estudante não se perca no emaranhado de informações.Ter um local seguro para buscar essas informações, saber para onde direcionar os esforços são coisas que vão fazer com que a tarefa se torne menos árdua. Segundo Décio Silva, desde o século XVIII filósofos e estudiosos já defendiam a ideia de que uma língua estrangeira não pode ser ensinada. O alemão Wilhelm von Humboldt afirmou: “não podemos ensinar uma língua, só podemos criar condições para que ela seja aprendida”. Isso quer dizer que o ser humano já nasceria com a capacidade de aprender línguas, bastando para isso se concretizar a interação. Ou seja, o contato diário e contínuo com a língua fará com que naturalmente a pessoa aprenda. Não que se queira instaurar o caos ou o vale tudo no estudo da linguagem, mas se quer reconhecer que a gramática é a escrita da língua e o principal objetivo da língua seria a comunicação. Ou seja, é preciso enfatizar a competência comunicativa. Assim, esperamos que os sujeitos interessados em aprender a se comunicar com a língua inglesa saibam que esta proposta preconiza o comprometimento com um método de ensino que tenha a língua como uma ferramenta para a comunicação e não como objeto de análise. Ainda esperamos contribuir apontando caminhos para a liberdade de aprendizado com relação a horários e até quanto financeiramente a pessoa queira investir.

6. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: PRÁTICAS DE AUDIOVISUAL COMO INSTRUMENTOS DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL
Ministrantes: Célia Ferreira de Sousa,  Claudiney de Freitas Marinho e Eliene Coelho Silva                                               

O presente minicurso, Práticas de audiovisual como instrumentos de transformação social, tem como objetivos orientar e incentivar a produção de documentários no ambiente escolar com o foco na mobilização da opinião pública. A metodologia será expositiva, onde contemplaremos as seguintes etapas: 1 - Situando o gênero textual documentário; 2 – Identificando os vários tipos de documentários; Dialogando sobre as principais características; Sessão de documentários; Seleção de temáticas sociais e constituição de grupos de trabalho; e, por fim tentativa de produção de documentários. Os recursos que necessitaremos são: um datashow, uma caixa de som pequena, e os próprios aparelhos celulares dos participantes. Apoiamos teoricamente em estudiosos da linguagem e das novas tecnologias, pois, “o estudo dos gêneros textuais é de extrema importância porque qualquer trabalho de investigação de um material linguístico concreto opera enunciados que desempenha alguma relação com campos da atividade humana e comunicação, (BAKHTIN 2003, p. 264)”. “Ao se trabalhar com práticas documentárias, o roteirista trabalha a noção de lugar do mundo, (PUCCINI 2007). “Trabalhar com o audiovisual é uma terapia, uma forma de nos relacionarmos bem com o mundo, uma maneira de compreendê-lo e de entender nossa relação com ele. Uma catarse, as vezes, (LUCENA, 2012, p. 05). “Os dispositivos informáticos hoje disponíveis na rede digital de comunicação possibilitam a criação de formas sociais e comunicativas inovadoras que só nascem pelo uso intenso das novas tecnologias”, (XAVIER 2005, p. 135). Esperamos como resultados, que os participantes consigam identificar os tipos de documentários e perceber que a prática de documentários constitue em um eficiente instrumento de mobilização da opinião pública sobre determinado assunto temático.

7. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: O BASQUETE DE RUA (3X3): manifestação cultural através do esporte
Ministrantes: Majô Cristine Lopes Dias Figueiredo, Jhéssika Melo dos Santos e Isaac Menezes Fabrício                               

O minicurso tem o objetivo apresentar o basquete 3x3 enquanto prática desportiva que pode ser desenvolvida pela comunidade e seus aspectos culturais. Ele será desenvolvido em dois momento distintos. Uma parte teórica abordando o contexto histórico e curiosidades no âmbito nacional, regional e local, bem como suas regras e principais diferenças entre esta modalidade e o basquete convencional, além de seu valor e representatividade social unindo esporte e manifestação da cultura afro-americana percebida tanto nos elementos técnicos do jogo como nas roupas e músicas que envolvem a prática desportiva nas ruas (hip-hop). Logo após, será ofertada uma vivencia prática, abordando-se elementos técnicos da modalidade de forma experimental: fundamentos com foco especial em seus movimentos básicos, manejo de corpo e bola, além de propiciar a experimentação de situações de jogo tal qual é executado nas ruas e nos eventos competitivos desta modalidade, ou seja, basquete ao som de hip-hop/rap em quadra improvisada, simulando a simplicidade das ruas em que a prática é realizada. Os materiais necessários: bolas de basquetebol, data show, caixa de som com entrada para pendrive ou conectividade com aparelhos celulares que utilizam o sistema android e quadra poliesportiva com 01 ou mais tabelas.

8. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: SISTEMA BRAILLE
Ministrantes: Valdivania Ferreira Sousa Macedo e Marcélia Guimarães Moraes                                                                   

Esse minicurso tem por objetivo introduzir a descrição do contexto histórico do sistema Braille e orientar a comunidade sobre as adaptações curriculares e as técnicas utilizadas para o ensino deste sistema, que envolvem a estimulação sensorial, alfabetização tátil e reabilitação. Ainda apresenta a dinâmica deste Sistema e recursos tradicionais que auxiliam na produção de materiais em Braille. Contemplando dinâmicas que mostram formas de relacionar-se com a pessoa com deficiência visual e dicas de orientação/mobilidade. Como metodologia, será apresentado e discutido um breve histórico do sistema Braille, seguido por dinâmicas e produção de materiais pedagógicos em Braille. A proposta está fundamentada em duas principais obras: Amiralin (1997) e Lei 9.394 (BRASIL, 1996). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC, 2008. Como recursos materiais serão necessários: EVA nas cores Branco e Preto, Tesoura, Cola Instantânea, Pincel Atômico Permanente para EVA na cor preta, Régua, Fita Durex Larga. Com a realização desse minicurso espera-se contribuir com o conhecimento entre a comunidade, que necessita estar atenta, em busca de melhorias no meio da educação especial, esperando assim, que os mesmos possam perceber que a visão vai além de um olhar. 

9. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: CHÁ LITERARIO: literatura deleite para participar da vida pública
Ministrantes: Eliene Coelho Silva, Evany Costa dos Santos, Ocivaldo Bezerra de Brito e Veronete Dias Gomes                     

O presente minicurso Chá literário: literatura deleite para participar da vida pública, surge com o advento da olimpíada de língua portuguesa 2019 (Escrevendo o Futuro), que mobiliza professores e estudantes em todo o Brasil, sobre a relevância de ler e escrever para participar da vida pública; ao mesmo tempo há um engajamento social contra o iletrismo, considerando ser o domínio da escrita a principal condição de sucesso escolar. Neste aspecto, há alguns anos, na França, o iletrismo tem sido concebido como “a ausência da cultura da escrita” (DABÈNE, 2002). Em face do exposto, o trabalho tem como objetivos, promover espaços de leituras literárias, de apreciação, contemplação e sobretudo, de aprendizagem sobre os muitos sentidos que poderão ser vivenciados pela literatura, desde a visão deleite, à concepção crítica de sociedade. Teoricamente, o minicurso está fundamentado em estudiosos como Gabriel Perissé (2015, bem como em Antônio Candido (1995). Enquanto metodologia serão realizadas leituras de gêneros literários: dramatizadas, silenciosa, em grupos, interativas através de recursos tecnológicos e roda de conversas sobre literatura para participar da vida pública, como forma de preparação para a cidadania, conforme o Art. 2ª da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 9.394/1996. Os Gêneros Textuais serão: crônicas, obras literárias escritas em HQ, romances clássicos da literatura e poemas de Manuel de Barros. E, para fazer jus ao título, como propõe o minicurso, o ambiente estará “aromatizado” com chás, licores e bolos para pura degustação com sabor de “ler prazerosamente”. Como resultados, nos fundamentamos em estudiosos da linguagem quando elucidam, que, para o domínio de capacidades discursivas, é preciso despertar o gosto, o prazer, a motivação para as práticas sociais (DOLZ, 2010). Assim, esperamos que os participantes se sintam motivados e percebem as finalidades de tais capacidades, para participar da vida pública, com sucesso.  

10. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: ENEM EM FOCO: a dissertação
Ministrantes: Gislane Aparecida Moreira Maia e Willian Silva de Paula                                                                             

O minicurso Enem em foco. A dissertação, é uma proposta a ser executada na “III JENPEX: Ensino, Pesquisa e Extensão na formação integral dos sujeitos na região Araguaia Xingu”. As Oficinas de Redação têm o objetivo de ajudar os alunos a escreverem melhor e passarem suas ideias para o papel. Consiste na construção de comentário crítico, no desenvolvimento e aprimoramento das capacidades de produção de textos, seguindo os moldes do ENEM, a oficina leva para os alunos a oportunidade do desenvolvimento da pesquisa, reflexão e elaboração de diversos temas do cotidiano. É uma oficina de elaboração de redação com orientação do professor com grupo reduzido de no mínimo 20 e no máximo 40 alunos. As oficinas serão em 2 módulos de 2 horas, totalizando 4 horas. São balizadores desse trabalho os autores Branca Granatic (1995), Koch (1996) e Travaglia (1991). Com a realização desse minicurso, espera-se que os estudantes se familiarizem com a maneira de escrita da dissertação, que é uma atividade solicitada pelo Enem.  

11. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: LEARN ENGLISH TRHOUGH SONGS: going beyond the gap
Ministrantes: Weslley Alves Siqueira, Luka Faccini Zanon e Carlos Rafael Nogueira de Arruda Silva                                     

O uso de música para a aprendizagem de língua inglesa não é um processo novo. Muitos são os professores e professoras que fazem o uso dessa técnica em ambientes de aprendizagem dessa língua-alvo com o objetivo de despertar o interesse de estudantes e/ ou promover a prática do idioma em sala de modo mais descontraído. Pensando em um uso para além do preenchimento de lacunas e da diversão, o presente minicurso objetiva instrumentalizar os participantes para o uso de estratégias de aprendizagem de ampliação da compreensão auditiva em língua inglesa, através do reconhecimento e materialização visual de aspectos fonéticos do idioma em estudo. Metodologicamente o minicurso se organiza, inicialmente, com a aplicação de um teste de identificação de estilo de aprendizagem, seguido de explanação de aspectos fonéticos da língua inglesa e de estratégias para reconhecimento e identificação e materialização destes em letras de músicas. Os participantes também serão convidados aplicar as estratégias em outras tipologias textuais. Por fim, aspectos relacionados às teorias de consciência linguística acerca da aprendizagem de um segundo idioma serão abordados. Dentre os conceitos a serem trabalhados estão: Habilidades cognitivas que permeiam o currículo (Bentley, 2010), Consciência Linguística do Professor (Andrews, 2007), Ensino da compreensão auditiva (Harmer, 2007), Fonética da língua inglesa (Tsugawa, 2006; Godoy, Gontow e Marcelino, 2006). Para a execução do minicurso faremos o uso de fotocópias de materiais (músicas e testes), o uso de equipamentos multimídia (computador, projetor e som) e o uso de canetas hidrográficas e lápis de cor. Espera-se que, ao final do minicurso, os participantes superem as dificuldades na aprendizagem da língua inglesa, no que tange a compreensão auditiva, e que se desperte neles ainda mais o interesse no estudo da língua inglesa de forma com que eles possam alcançar a fluência nesse idioma através dos recursos, estratégias e discussões realizadas. A ação é fruto do Projeto de Extensão “Fun: English Games”, aprovado no Edital 28/2019 – RTR/PROEX Apoio a Extensão do Instituto Federal de Mato Grosso.

12. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: JOGOS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA: uma maneira de aprender brincando
Ministrantes: Cleunice Gomes de Oliveira e José Pereira da Silva                                                                               

Para exercer plenamente a cidadania, todo ser humano precisa saber contar, comparar, medir, calcular, resolver problemas, construir estratégias, comprovar e justificar resultados, argumentar logicamente, conhecer formas geométricas, organizar, analisar e interpretar criticamente as informações, conhecer formas diferenciadas de abordar problemas. No entanto, muitas vezes o estudo da matemática acaba sendo de maneira tradicional, o que dificulta a construção das habilidades anteriormente listadas. Frente ao exposto, propomos os jogos didáticos como estratégia para ensinar matemática, no intuito de diminuir o alto número de estudantes com dificuldades em cálculos básicos e interpretação de matemática, uma vez que a atuação docente visa proporcionar condições para desenvolver competências nos estudantes de compreender e transformar a realidade. Esse minicurso tem como objetivo explorar jogos didáticos de matemática como uma maneira de aprender brincando. Ou seja, acredita-se que o pensamento lógico, numérico e a atitude colaborativa dos jogos favoreça a aprendizagem da matemática. A metodologia que será utilizada envolve a utilização de jogos pedagógicos, tais como: dominós, dados, tangram e outros. Durante a execução dos jogos, se estabelecerá uma relação entre o jogo e os conceitos da matemática possíveis de serem explorados. Espera-se que o estudante compreenda e consiga resolver as situações problemas com números naturais; memorizar nomes de elementos químicos utilizando os jogos.

13. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: APRENDENDO LIBRAS COMO SEGUNDA LÍNGUA – NÍVEL BÁSICO
Ministrantes:Walysttonn Guimarães Caixeta                                                                                                                 

Este tem por objetivo difundir a Língua e a Cultura do povo surdo, através de algumas apresentações das características fundamentais da Língua Brasileira de Sinais para iniciação ao seu aprendizado e ao contato inicial com pessoas Surdas, outrossim, dar visibilidade e a inclusão da língua natural da pessoa surda, despertando o interesse de ouvintes pela Libras. Pretendo levar informações a população Confresense e a comunidade interna do IFMT - Campus Confresa a respeito do sujeito surdo, mostrando em uma apresentação de slides a Lei Federal que reconhece a Libras como meio legal de comunicação e expressão, o significado da Libras, a diferença do sujeito surdo e do sujeito ouvinte, as principais características da Libras, sinais em foco: formas de cumprimento e identificação pessoal, alfabeto manual, números naturais em Libras, importância das expressões faciais na Libras, sinais em foco: pessoas, objetos e animais, diferença de um intérprete de Libras e um professor de Libras, Você sabia? “Língua de Sinais não é mímica” e as Línguas de Sinais do Mundo. A educação de pessoas surdas chegou ao Brasil por volta da década de sessenta do século XX, por meio do Imperador Dom Pedro II que, depois de ter instalado o Instituto Benjamin Constant para cegos, criou o Instituto para surdos em 1857 que logo após passou a ser chamado de INES (Instituto Nacional de Surdos). Segundo Mazzotta, (2005, p. 29), D. Pedro II, pela Lei nº 839 de 26 de setembro de 1857 fundou no Rio de Janeiro a primeira Escola para Surdos-Mudos, dando início a educação surda no Brasil, sendo de grande conquista à população surda-muda brasileira. Para realizar este trabalho utilizarei como instrumento folhas A4, canetas esferográfica de tinta azul, lápis, conteúdo digital (reproduzido no projetor multimídia), uma caixinha de papelão (para dinâmica), pincel, tintas guache, cartolinas, tesoura, aparelho de som, um cabo de extensão e um notebook. Portanto, espero despertar no público presente o desejo de conhecer, a vontade de aprender e a capacidade de compreender um novo idioma, a Língua Brasileira de Sinais.

14. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: NOSSA HISTÓRIA, NOSSA CIDADE CONFRESINHA
Ministrantes: Jardeline Maria Procópio Nunes, Meliana Silva de Almeida e Andria Guimarães da Silva                                 

Confresa cidade que vem crescendo economicamente e socialmente com pessoas de várias Regiões do Brasil, que chegam na cidade a procura de emprego e estudo. E nessa mudança trazem suas famílias para fixar moradia e consequentemente ingressam nas escolas de Rede Estadual, Municipal e Federal. Diante do exposto este minicurso tem como proposta trabalhar com os docentes uma prática de como explorar os pontos turísticos, a história de Confresa e as principais atividades de Confresa, valorizando a história e moradores da cidade e como meio para desenvolver aulas multidisciplinar e interdisciplinar com algumas disciplinas como, história, geografia, ciências, arte, matemática e língua portuguesa. Sendo essa atividade um meio de atrair os alunos a conhecerem a história de Confresa e participarem das atividades, socialmente, política e economicamente, valorizando-os como cidadãos. Essa metodologia foi desenvolvida com os alunos das series finais do ensino fundamental da Escola Estadual CEJA – PLENA Creuslhi de Souza Ramos e teve êxito no seu desenvolvimento, pensando nessa ação com o objetivo de instigar novos multiplicadores de outras escolas com o minicurso. Tendo como objetivo valorizar a história de Confresa, atividades e população. Primeiramente será apresentado para os participantes um breve contexto histórico de Confresa, pontos turísticos e suas potencialidades. Em seguida será apresentado com auxílio de Datashow imagens dos pontos turísticos, principais atividades e as potencialidades do município. Visita em alguns pontos turístico da cidade e apresentar as questões que poderão ser explorados na aula. Tendo aporte teórico em Machado (2013), considera-se que o turismo seja uma atividade que pode ser desenvolvida de forma multidisciplinar e interdisciplinar, pois abrange vários conhecimentos que podem enriquecer a prática pedagógica. Será utilizado notebook, data show e imagens impressas e micro-ônibus. Espera-se que os docentes desenvolvam o projeto com seus alunos explorando os pontos turísticos, atividades e potencialidades da cidade. Contribuindo assim na construção de saberes dos alunos como cidadãos.

15. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: A PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO COM AS AÇÕES DO PIBID
Ministrantes: Patricia Bueno de Jesus e Andressa Fernanda Eistedt                                                                                 

O processo de ensino e aprendizagem apresenta desafios para alunos do ensino superior e professores. É neste intuito que apresentamos o objetivo de demonstrar a teoria/prática que surgiu a partir dessa experiência em que abordamos a história de Vila Rica MT através de visitas inlocus e vivenciada no contexto docente no qual pretendemos ministrar um minicurso utilizando a metodologia de relato de experiência juntamente com exposições de fotos, slides, cartazes e demostrando as entrevistas com alguns pioneiros. Portanto as atividades foram executadas na Escola Estadual Prof.ª Maria Esther Peres, em Vila Rica/MT para alunos da Educação de Jovens e Adultos, com o tema: Processo Histórico de Formação de Vila Rica MT, do segundo semestre de 2018 ao ano de 2019. Para as averiguações teóricas que discutem acerca da temática suscitada, me apoiei em Lima (2012), Trevisan (2011), Barroso (2016), Santos (2002). Pois o PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) muito tem contribuído no processo de ensino/aprendizagem através das observações e regências de aulas. Ressaltamos que o objetivo do PIBID é fazer a junção entre a prática/teoria e destacando sua relevância para nós bolsistas. É com este objetivo que ele propicia o desenvolvimento da maturidade profissional e prepara o licenciando para a prática docente.

16. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: A CONSTRUÇÃO DE SABERES E EXPERIÊNCIAS A PARTIR DAS AÇÕES DO PIBID
Ministrantes: Regina Célia Pinto da Silva, Elizimar Alves dos Santos Amorim e Jhonatan Bedinoto Diel                               

O presente estudo caracteriza-se como um relato de experiência interdisciplinar vivenciado no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), o mesmo apresenta uma reflexão das vivências durante observação e desenvolvimento de atividades na Escola Estadual Prof.ª Maria Esther Peres, em Vila Rica/MT para alunos da Educação de Jovens e Adultos, tendo como temáticas norteadoras propaganda e publicidade na perspectiva da Sustentabilidade, do segundo semestre de 2018 ao ano de 2019. Buscando assim apresentar o PIBID como programa que possibilita a elevação da qualidade da formação inicial de professores nos cursos de licenciatura, promovendo a integração entre a educação superior e educação básica. Trata-se portanto de demonstrar que para os bolsistas de iniciação à docência (ID) e futuros docentes a experiência foi e continua sendo de muita valia no que diz respeito à formação, visto que as práticas pedagógicas em conjunto com a professora em sala de aula só têm enriquecido nosso currículo e formação teórico-prática pois, ao mesmo tempo em que estudamos questões específicas que emergem em sala de aula, desenvolvemos atividades e aprendemos junto com os alunos e professoras regentes. Nesse sentido a metodologia será a aplicabilidade de relatos de experiências, exposições de materiais recicláveis e aulas expositivas, bem como a confecção de chaveiros com materiais recicláveis demonstrando como as ações do PIBID promovem a troca de conhecimento e de aprendizado, de modo a efetivar a interação entre os agentes sociais envolvidos nos possibilitando a oportunidade de entender na prática como o aluno aprende, como se dá esse processo e quais são os caminhos e recursos para aquisição do aprendizado. Para suscitar o debate e escrever este trabalho fez-se necessário o estudo de teóricos que discutem e dialogam acerca do processo de aprendizagem, teoria/prática e formação docente, a saber: Jonas (2006); Zozzoli (2009).

17. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: TRABALHO DE CUNHO CIENTÍFICO. VAMOS RESUMIR?
Ministrantes: Willian Silva de Paula e Gislane Aparecida Moreira Maia                                                                             

O minicurso “Trabalho de Cunho Científico. Vamos Resumir?” é uma proposta a ser executada na “III JENPEX: Ensino, Pesquisa e Extensão na formação integral dos sujeitos na região Araguaia Xingu”. Seu objetivo é oportunizar aos participantes instruções de como redigir um resumo como trabalho de cunho científico. A metodologia que será utilizada envolve a exposição dos elementos constitutivos de um resumo segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) de maneira dialogada e com exemplos práticos. Trata-se de uma atividade de linguagem voltada para a prática do gênero textual resumo de textos científicos. São balizadores desse trabalho os autores Platão e Fiorin (1995) e Severino (2002). Com uso de tópicos frasais ou da ideia principal de parágrafos, espera-se que todos os participantes, por meio de atividades de leitura e escrita, sejam capazes de resumir ideias, sem perder a coesão e coerência do texto original.

18. Eixo temático: Gestão, negócios e comunidade
Título do Minicurso: CURRICULUM VITAE: a importância desse instrumento de apresentação no mercado de trabalho
Ministrantes: Marcelo Silva Rodrigues e Marcelo Franco Leão                                                                                           

O Curriculum Vitae (CV) é um documento que expressa as principais informações da pessoa, tais como os dados pessoais, a trajetória educacional, a experiência profissional, as produções e atividades desenvolvidas. Ou seja, é um documento que expressa quem é aquela pessoa, capaz de evidenciar as principais habilidades e competências que ela possui. A própria origem epistemológica dessas palavras escritas em latim remeter ao significado que é a trajetória de vida. Esse minicurso tem por objetivo instruir os estudantes de todos os níveis de escolarização, bem como as pessoas da comunidade sobre como criar, apresentar os dados e defender o CV ao competir no mercado de trabalho. Durante o minicurso será apresentada a Plataforma Lattes que é um ambiente virtual criado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) com objetivo de integrar os currículos dos pesquisadores, bem como os grupos de pesquisas das instituições de todo o Brasil e até do exterior. A metodologia utilizada será a exposição em slides de dados, informações e dicas, seguido de diálogos para que ocorra a interação dos participantes. Ao término, será construído o CV de um dos participantes como maneira dos demais terem um exemplo prático para assim conseguirem elaborar os seus. Com a realização desse minicurso, espera-se que os participantes compreendam como criar, apresentar dados importantes de suas trajetórias de vida acadêmica e profissional, além de atualizar e defender o CV quando forem competir no mercado de trabalho.       

19. Eixo temático: Gestão, negócios e comunidade
Título do Minicurso: REUTILIZANDO PET
Ministrantes: Milton Fantinell Junior, Vanessa Alves Martins, Josiele Souza Silva e Ana Flavia Ribeiro Vasco                         

Os plásticos são polímeros derivados do petróleo, usados comumente como matéria para fabricação de embalagens. Há diversos tipos de plásticos que variam desde os mais finos e fáceis de manipular até os mais rígidos. O PET (polietileno tereftalado) e PEAD – (polietileno de alta densidade) são exemplos deles. Vastamente utilizados como fracos de refrigerantes, produtos de limpeza, embalagens de cosméticos entre várias outras utilidades. O plástico está presente praticamente em todas as áreas da indústria devido seu baixo custo, resistência e praticidade. Porém nem todos têm informação de como descartar corretamente ou reciclar esse material. Este material é um dos principais poluidores atualmente, já que não se decompõem facilmente, exemplos são os oceanos onde há toneladas de plásticos atualmente. Vieira dos Santos (2010) afirma que os diversos danos causados ao meio ambiente, um está relacionado aos resíduos plásticos, pois, a maioria dos produtos que consumimos são fornecidos através deste material, e por não ter o devido descarte está se acumulando no ambiente. Devido ao grande impacto que o plástico causa ao meio ambiente, propõe-se um minicurso objetivando ensinar como pode-se estar reutilizando o plástico transformando-o em novos objetos de acordo com a necessidade. Assim evitando o descarte de material ao ambiente. O meio ambiente foi negligenciado por diversos anos, nas décadas de 50 e 60 foi observado que o meio ambiente está sofrendo um declínio elevando a preocupação com essa problemática ambiental. Disponibilizam formas com o intuito de solucionar, ou tentar ações para contribuírem de algum modo com preservação meio ambiente. (DIAS, 1998). A formação de uma atitude ética e política é a grande contribuição que a educação ambiental pode dar num mundo em crise como o que vivemos. (CARVALHO, 2004). A reciclagem surge como um meio de reduzir este tipo de material aterrado no solo, causando sua poluição, (DIAS e TEODÓSIO, 2006). Durante o minicurso haverá a confecção de novos objetos de decoração, organizadores para a casa e vários outros objetos a partir de garrafas pets, embalagens de cosméticos e produtos de limpezas. Além de garrafas pets e embalagens, utilizaremos tintas, canetas, cola, tecidos e outros enfeites para embelezar as peças. Com isso buscamos incentivar à reutilização e despertar nas pessoas a ideia do reutilizar em vez do jogar fora, e que percebam que o ato de reciclar ajuda a cuidar do meio ambiente.    

 

II. Propostas aprovadas para o dia 01/11/2019 no período noturno (19:00 às 23:00 h):

1. Eixo temático: Ciências Agrárias
Título do Minicurso: COMO FAZER UMA COMPOSTEIRA E REAPROVEITAR MATÉRIA ORGÂNICA PELO MÉTODO DE COMPOSTAGEM
Ministrantes: Fabiana de Souza Torres e Johnn Lennon França Ferreira

É evidente que nos últimos anos a população mundial vem buscando meios de contribuir de algum modo na preservação do meio ambiente, dentre esses meios existe a compostagem de resíduos orgânicos, como restos de alimentos. A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. Este minicurso tem como objetivo ensinar a fazer uma composteira no próprio quintal, mostrando a importância, e como a compostagem propicia um destino útil para os resíduos orgânicos, evitando sua acumulação em aterros e melhorando a estrutura dos solos. Esse processo permite dar um destino aos resíduos orgânicos domésticos, como restos de comidas e resíduos do jardim. Esse processo tem como resultado final um produto muito útil que é o composto orgânico que pode ser aplicado diretamente ao solo ou nos vasos de plantas no jardim ou em hortas, para melhorar a fertilidade da terra a ser utilizada, e evitando o uso de fertilizantes sintéticos.

2. Eixo temático: Ciências Agrárias
Título do Minicurso: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DO LEITE
Ministrantes: Leandro Alves Lacerda, Deborah da Silva Rodrigues Cruz e Weidner Henrique Azevedo Xavier

Os objetivos deste minicurso são os de proporcionar ao participante um conhecimento sobre os padrões de qualidade físico-química quanto à acidez, crioscopia e densidade regulamentados para o leite conforme a legislação vigente; executar as técnicas de análises para determinação da qualidade do leite, bem como, conhecer os equipamentos, vidrarias e soluções utilizados para essas análises; Como verificar e interpretar os resultados das análises, quanto à possíveis alterações e/ou adulterações do leite, no que diz respeito aos teores de acidez e água. A metodologia utilizada será a apresentação da legislação e os padrões físico-químicos do leite, por meio de estudos teóricos, fazer o preparo das soluções utilizadas para cada análise, identificar e manejar as vidrarias e equipamentos referentes a cada análise. O teste Dornic visa à determinação quantitativa da acidez do leite, com utilização do reagente de hidróxido de sódio com indicador fenolftaleína. A análise de Densidade, basta fazer a leitura direta no lactodensímetro. O procedimento de crioscopia preconiza operação no crioscópio, empurrando o tubo contendo a amostra na solução refrigerante, iniciando o processo de super-resfriamento, liberando o calor de fusão permitindo a leitura do ponto de congelamento. O leite pode ser definido como o produto oriundo da ordenha completa e ininterrupta, em condições de higiene, de vacas sadias, bem alimentadas e descansadas (BRASIL, 2011). Ainda, para ser considerado em condições adequadas de consumo e de boa qualidade para ser processado na indústria, deve apresentar teores dentro dos padrões preconizados pela Instrução Normativa 62 de 2011. Tais parâmetros, estipulados, serve de indicador para serem conferidas as reais condições em que o leite foi obtido, processado ou até mesmo comprovar alguma alteração por fraude (SILVA; SILVA; FERREIRA, 2012). Para realizar o minicurso será necessário a utilização do laboratório de química, vidrarias, reagentes e equipamentos específicos para cada análise. Espera-se que os participantes ao final do minicurso tenham conhecimento dos padrões físico-químicos de qualidade do leite conforme a legislação. Saibam realizar as análises propostas; e entendam a importância da verificação da qualidade do produto para a comercialização e saúde do consumidor.

3. Eixo temático: Ciências Agrárias
Título do Minicurso: PRODUÇÃO DE BEBIDAS A PARTIR DE GRÃOS DE KEFIR
Ministrantes: Fernanda Oliveira Scariot de Freitas

O kefir, também conhecido como quefir, tibicos, cogumelos tibetanos, plantas de iogurte, cogumelos do iogurte, é um leite fermentado produzido a partir dos grãos de kefir. Apresenta-se como um alimento funcional de baixíssimo custo de produção e seus grãos são capazes de fermentar diversos alimentos, como leite de vaca, cabra, ovelha, búfala, açúcar mascavo, sucos de frutas, extrato de soja, entre outros. A produção da bebida ocorre diretamente pela adição dos grãos no substrato de preferência. O objetivo do minicurso é a produção de diferentes bebidas à partir dos grãos de Kefir. Os conhecimentos acerca dos alimentos funcionais e benefícios à saúde serão introduzidos inicialmente a partir de uma apresentação sobre a cultura, histórico e seus benefícios e em seguida, utilizando espaço de laboratório será exemplificada a forma de propagação da cultura e preparo das bebidas. Ao final espera-se que os alunos reconheçam a importância dos alimentos funcionais e percebam que é algo que se pode produzir também de maneira artesanal.

4. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: REAPROVEITAMENTO DE MATERIAIS
Ministrantes:Edileuza Maria da Silva, Ana Flavia Marinho e Antonyo Felipe de Souza Silva

O objetivo do minicurso é mostrar para as pessoas que há possibilidade de economizar, usando o que temos em casa sem utilidade e transformar em objetos útil, bonito e barato. Mostraremos na prática como fazer para reduzir, reutilizar e reciclar. Diante de tantos problemas ambientais e o consumismo desenfreado da sociedade atual, resolvemos desenvolver algumas de muitas ideias de reciclagem de objetos que temos em casa evitando o acumulo de lixos e de certa forma ajuda na renda familiar caso queira desenvolver algumas atividades com materiais disponíveis em casa: usaremos jeans velhos, tesoura, linha, missangas e mesas para organizar os materiais. Tivemos a ideia de confeccionarmos aventais, bolsas de jeans usados, que de certa forma iria para o lixo, com esses jeans podemos confeccionar vasos para plantas ornamentais, decorar o jardim ou até mesmo a varanda da casa, entre outros. Lembrando que a criatividade, o bom senso e a conscientização para com o meio ambiente podem salvar nosso planeta e garantir que as gerações futuras possam ter a oportunidade de viver em um ambiente saudável.

5. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: ATIVIDADES DIDÁTICO EXPERIMENTAIS NO ENSINO DE CIENCIAS NATURAIS
Ministrantes: Mônica Strege Médici e Kellen Cristhina Inácio Sousa

O uso de experimentos nas aulas de Ciências Naturais constitui numa importante ferramenta no processo de ensino e de aprendizagem, contribuindo com a integração teoria e prática. Entende-se aqui prática e teoria como unidade integrante de uma mesma totalidade, ainda que com suas características distintas. Não há teoria sem prática e nem prática sem teoria. Parte-se do princípio de que as atividades didático-experimentais não podem ser um conjunto de ações que propiciem apenas a repetição e  observação de experimentos. Ao contrário, espera se que estas se constituam em momentos que possibilitem ao aluno a reflexão sobre o fazer ciência e de que maneira ela se integra ao nosso cotidiano. O objetivo do minicurso é demonstrar a professores e alunosatividades didáticos experimentais que podem ser realizadas em sala de aula com o intuito de disseminar o conhecimento sobre ciências, bem como de facilitar a compreensão dos conteúdos a partir de uma abordagem dinâmica ampliando-se assim as possibilidades de ensino contemplando as múltiplas inteligências existentes em uma sala de aula. Cabe ressaltar que a experimentação pode ser desenvolvida mesmo com as fragilidades estruturais encontradas em muitas escolas públicas. O legado desta atividade para a prática docente é que metodologias para o ensino de Ciências da Natureza devem descomplicar o conteúdo e ser acessível ao aluno assim o processo de ensino aprendizagem acontece de forma prazerosa e motivadora para ambos os lados. A metodologia utilizada para o minicurso é a exposição de experimentos que podem ser reproduzidos em sala de aula, bem como a leitura de textos que norteiam a realização de novos experimentos. Os resultados esperados é apresentar as atividades didático experimentais como ferramentas que ampliam as possibilidades de aprendizagem dos alunos, destacando o melhor estabelecimento de significado aos conceitos trabalhados, rompendo com a vertente tradicional no ensino centrado na memorização e no acúmulo de informações.

6. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: UTILIZAÇÃO DA CALCULADORA CIENTÍFICA NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS
Ministrantes: Bruno de Brito Vieira e Devacir Vaz de Moraes

A calculadora científica é um importante instrumento para a resolução de  problemas em diversas disciplinas na formação superior. Em  ciências da natureza, seja em  química, em física ou em biologia, esse instrumento é bastante utilizado pelos professores, desde a formação  inicial. O objetivo desse minicurso é oferecer de maneira clara meios para que os acadêmicos dos cursos de Licenciatura em Biologia, Licenciatura em Física e Licenciatura em Ciências da Natureza com habilitação em Química a oportunidade decomplementar sua formação acadêmica. O minicurso abordará a utilização de questões práticas por meio de resolução de problemas e exercícios, envolvendo operações aritméticas, logaritmos, trigonometria e análise combinatória. Para participar do minicurso é preciso que cada estudante leve a sua Calculadora Científica. Espera-se que o minicurso possibilite agregar conhecimento a ser utilizado durante e após sua formação, garantindo participação em atividades extracurriculares como forma de consolidar sua formação profissional consistente.

7. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: A (RE)CONSTRUÇÃO DO CONTADOR DE HISTÓRIAS NOS CONTOS AFRICANOS
Ministrantes:Claudia Eliane Zortea e Edilaine Ferreira Leal

O objetivo deste minicurso é propor um estudo da figura do griot em contos de escritores angolanos. Em tais narrativas são reconstruídas por meio da escrita o processo de contação de histórias orais constitutivo da identidade do povo angolano. Para compreendermos a edificação das narrativas angolanas, faz-se necessário um estudo sócio histórico e ideológico da formação do país, visto que a literatura trabalhou de modo empenhado para a reconstrução da identidade nacional durante e depois do processo de colonização. Nesse sentido, realizaremos leitura de textos literários de escritores engajados e também de textos teóricos na tentativa de compreensão dessa literatura tão significativa e que dialoga tanto com o Brasil. Entre os escritores trabalhados estão Agostinho Neto, Luandino Vieira e Ondjaki, e os teóricos Rita Chaves, Tania Macedo e Antônio Cândido. Ao propormos esta temática, temos como objetivo difundir o conhecimento da história e cultura africana que está muito presentes em nosso país, cujo estudo tornou-se obrigatório a partir da lei 10.639/03. Dessa forma, pretendemos, neste minicurso, apresentar metodologias para o trabalho da literatura e história africana a partir de diálogos com estudantes e professores da educação básica e superior.

8. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: CONHECENDO PROPOSTAS DE ESTRATÉGIAS DE ENSINO
Ministrantes: Cristine Moraes dos Anjos

Cada dia é mais evidente o declínio do modelo tradicional de ensino e a busca por propostas e estratégias que se aproxime do estudante que hoje frequenta o ambiente  escolar. Diante dessa demanda é que enquanto profissionais formadores de professores nos vemos na responsabilidade, de buscarmos discutir a cada possibilidade de encontro educacional um assunto de tamanha necessidade e que em muitas situações ainda é uma lacuna para alguns dos nossos professores que trabalham no cotidiano da educação básica. Diante de tal realidade me proponho nesta atividade de minicurso trabalhar com estudantes dos cursos de licenciaturas e também professores da educação básica propostas de estratégias de ensino a serem empregadas em suas aulas. Para tanto iniciaremos o encontro discutindo os elementos básicos da prática de ensino: objetivos, métodos, metodologias, recursos, sequências didáticas entre e outros e como utilizá-los, respaldados em Zabala (1995) e Luckesi (1990) e Piletti (2010) nesse momento aproveitamos para abordar as “metodologias ativas” tão enfatizadas no contexto atual, na nossa área da educação; em  seguida conheceremos através de atividades em grupos propostas de  estratégias de ensino  voltadas para áreas distintas e em situação diversas, com intuito de discutir a empregabilidade de cada estratégia de acordo com o objetivo do conhecimento a ser desenvolvido, e por último em um ambiente virtual apresentarei bancos de dados onde há disponíveis propostas de estratégias de ensino já desenvolvidas em sala de aula, como subsídio para o preparo de aulas no dia a dia, conhecidos como produtos didáticos. Espero com esse trabalho mostrar aos nossos colegas professores a acessibilidade desses materiais a serem empregados nas suas aulas, desmistificando a ideia de algo muito difícil e distante de ser executado, de acordo com a sua dinâmica e rotina de trabalho.

9. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: PREPARAÇÃO DE PIGMENTOS NATURAIS PARA PINTURAS
Ministrantes: Erica Sena Dorta Metke,  Gleiciene Sena Dorta Sousa e Áurea Carola dos Santos Araújo

Desde muito tempo pigmentos naturais são utilizados em pinturas. Esses corantes geralmente eram extraídos de terras coloridas, pó de rochas, vegetais, entre outros materiais da natureza. Os pigmentos fazem parte de nossa vida e estão em todos os lugares, pois é algo da natureza que recebe inúmeras aplicações. O objetivo desta proposta de minicurso é ensinar a preparar pigmentos naturais e abordar a importância da natureza dentro do contexto regional. No minicurso vão ser abordadas importantes temáticas, tais como: a história e importância dos pigmentos naturais, preparo de alguns pigmentos de coloração amarela, rosa, vermelho, laranja, marrom, azul e verde, utilizando materiais alternativos naturais como açafrão, urucum, beterraba, café, feijão e entre outros, além da utilização dos corantes preparados para a realização de pinturas artesanais. Esperamos que os estudantes participantes não só aprendam a preparar os pigmentos, mas também que os mesmos valorizem a cultura de nossos ancestrais e observem que a natureza tem muito a nos oferecer, a exemplo das infinitas cores, para que assim possam aprender o valor da natureza e a importância de cuidá-la.

10. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: HANDEBOL TÉCNICO TÁTICO NO AMBIENTE ESCOLAR
Ministrantes: Domênico Dos Santos Medici

Este trabalho visa apresentar como proposta de minicurso a modalidade de handebol de forma facilitada para entendimento e prática voltada ao ambiente escolar, atuo desde 2005 com o handebol a modalidade cresceu na Escola Estadual Maria Esther Peres tornando-a referencia em níveis regional e estadual nos Jogos Escolares, com intuito de compartilhar o conhecimento adquirido ao longo destes anos o objetivo é ofertar atividades voltadas à modalidade para que professores e alunos possam conhecer divulgar e transformar sua prática em algo possa ser vivenciado na região do Araguaia, na qual a modalidade apresenta pouca participação das escolas nos Jogos Escolares, alunos de 12 a 14 anos referentes à categoria “B” categoria esta de entrada nos Jogos Escolares que exigem certo grau entendimento tanto do professor quanto do aluno na respectiva modalidade e 15 a 17 anos referentes à categoria “A” esta de encerramento, acreditando que a pouca participação efetivamente seja por fatores relacionados a dificuldades pedagógicas técnico/táticas nas escolas, apresentaremos a proposta metodológica teórico/práticas e trocas de experiências. Os materiais necessários serão data show, quadra de handebol. Esperamos que os participantes possam ao final do curso entender o processo de aquisição dos fundamentos básicos do handebol identificando de forma ampla de como chegar até sua execução correta, dentre os aspectos táticos identificarem a primeira e segunda linha de defesa para referencia do posicionamento dos alunos/atletas nos esquemas táticos da modalidade, seja por zona, individual, 6x0, 5x1, 4x2, 3x3, 3x2x1, a fim que possam inserir ou melhorar a prática da modalidade nas escolas, esperamos com este trabalho propor um fortalecimento da modalidade na região Araguaia Xingu.

11. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: CONSTRUÇÃO DE JOGOS PARA ENSINO DE LÍNGUAS
Ministrantes:Weslley Alves Siqueira, Ghabrielly Costa Pinto e Julia Rezende e Silva

O cenário das línguas estrangeiras no currículo regular, embora incerto, tem recebido investimento governamental com a aplicação de recursos relacionados à mobilidade internacional, certificação internacional de proficiência e ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras. Eventos e práticas inovadoras, no contexto desafiador brasileiro, têm sido fomentados para dar início ao processo de internacionalização do currículo escolar (Wächter, 2003; Stallivier, 2016; Belli, Heemann e Sehnem, 2016). O presente minicurso, a partir das discussões sobre jogos e aprendizagem ancoradas em Callois (1958) e Huizinga (1958), objetiva conscientizar os participantes acerca do uso de jogos para aprendizagem de línguas estrangeiras e instrumentalizá-los para a confecção de jogos, tomando como base princípios pedagógicos e da aquisição de uma segunda língua e/ou de uma língua estrangeira. Embora a proposta seja voltada ao ensino de idiomas, com o enfoque na língua inglesa, o minicurso trará ideias e abordará reflexões que poderão ser aplicadas em qualquer área de conhecimento. Os participantes poderão construir os próprios jogos em sua área de atuação profissional. Para a execução do minicurso faremos o uso de fotocópias de materiais (artigos e jogos), o uso de equipamentos multimídia (computador, projetor e som) e o uso de materiais de papelaria e aviamentos. Espera-se que, ao final do minicurso, os participantes sejam capazes de desenhar o protótipo de seus jogos e que saibam descrever a metodologia de jogabilidade associada ao jogo construído. Espera-se também que os mesmos consigam construir a descrição textual do potencial de aprendizagem do jogo elaborado. A ação é fruto do Projeto de Extensão “Fun: English Games”, aprovado no Edital 28/2019 – RTR/PROEX Apoio a Extensão do Instituto Federal de Mato Grosso.

12. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: INTRODUÇÃO AO LIBREOFFICE: Math como ferramenta de edição fórmulas matemáticas e químicas
Ministrantes: Thierry de Melo e Noel da Rosa Mazetto

A informática é imprescindível no mercado de trabalho hoje em dia, no âmbito educacional não pode ser diferente, tanto no auxílio aos professores com o desenvolvimento de suas aulas, como na administração com suas rotinas diárias. O processo para informatização consiste em aquisição de produtos ou serviços podendo se desmembrar em dois grandes eixos Hardware ou Software. Entende-se por Hardware a parte física como por exemplo computadores, datashow, impressoras dentre outros e já o Software consiste na parte lógica como navegador de internet, editores de texto, sistema para lançamentos de notas dentre outros. Mas o cenário corriqueiro em nossas escolas é de orçamentos limitados que dificultam o investimento na informatização deixando assim de adquirir as melhores tecnologias disponíveis para otimização dos processos. Com base nesse cenário esse minicurso vem apresentar um Software disponibilizado de forma gratuita e multiplataforma ( Windows, macOS, distribuições Linux) pela organização sem fins lucrativo The Document Foundation, o Math que é um editor de fórmulas da suíte LibreOffice muito utilizada na edição de fórmulas matemáticas, químicas, notações científicas entre outras, podendo ser utilizado de forma autônoma ou através das outras aplicações também fornecidas pela suíte LibreOffice como Writer (editor de texto), Impress (editor de apresentações), Calc (editor de planilhas) e o Draw (editor gráficos/diagramas). Esse Minicurso tem a intenção de proporcionar a aprendizagem de uma aplicação para elaboração e edição de fórmulas facilitando a escrita de documentos como provas, artigos, trabalhos de conclusão de cursos, dissertações, entre outros, enquanto sensibiliza sobre a utilizações de alternativas gratuitas às aplicações tradicionais do mercado.

13. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: LIXO OU LUXO? RECICLAGEM COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM
Ministrantes: Iris Cristina Araújo do Carmo

Essa proposta de minicurso foi apresentada para ser desenvolvida na “III JENPEX: Ensino, Pesquisa e Extensão na formação integral dos sujeitos na região Araguaia Xingu”. Tem como objetivo apresentar propostas práticas na área de ensino e aprendizagem educacionais ligadas ao meio ambiente, reciclagem e a realidade social da qual os educandos estão inseridos. Adotar-se-á a metodologia de confecção de materiais recicláveis como ferramenta de trabalho pedagógico na construção do conhecimento sobre meio ambiente. Para realizar o trabalho utilizaremos a pesquisa bibliográfica de autores como Carmo (2016), Freire (1974), Tristão (2004), entre outros. Os recursos utilizados são garrafas PET, plantas de jardim, entre outros. Dessa forma, por meio da articulação com a realidade espera-se que os participantes assimilem o objeto de estudo fazendo uso da prática dialética. Assim sendo, este trabalho poderá contribuir para melhor conhecimento em relação à reciclagem, bem como servir de subsídios para outras pesquisas.

14. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: ATIVIDADES EXPERIMENTAIS COM MATERIAIS DE BAIXO CUSTO COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA ENSINAR QUÍMICA
Ministrantes: Ana Claudia Tasinaffo Alves e Marcelo Franco Leão

A experimentação no ensino de química é essencial para a compreensão dos fenômenos estudados, uma vez que estimula o interesse dos estudantes, promovendo neles o espírito crítico, a curiosidade, a não aceitação de conhecimentos simplesmente transferidos. Por vezes, a falta de laboratórios de ciências nas escolas e a insegurança para conduzir essas situações de aprendizagem, acabam por limitar a possibilidade de realização de aulas experimentais. O minicurso tem como objetivo capacitar futuros professores para que estes possam explorar os conceitos envolvidos e as correlações dos fenômenos observados. Neste sentido, o minicurso trará atividades experimentais, com materiais de baixo custo, possíveis de serem desenvolvidas em aulas de Química do Ensino Médio, ou seja, serão realizados experimentos para cada etapa (1º, 2º e 3º Ano) e explorados os conceitos científicos envolvidos em cada um dos experimentos. Todas as atividades propostas utilizarão materiais alternativos, ou seja, aqueles que estão presentes no cotidiano, acessíveis e baratos. Assim, acredita-se que o laboratório para ensinar química possa ser a própria sala de aula, não necessitando de equipamentos sofisticados ou espaços específicos. Por esse motivo, não será necessário o uso de jaleco pelos participantes. Espera-se que os participantes compreendam que a experimentação é um recurso didático indispensável para o ensino de química, que os materiais alternativos podem auxiliar na realização de uma aula prática, na qual os conceitos químicos podem ser ensinados sem prejuízos em relação ao equipamento de laboratório.

15. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso:  SIMONE DE BEAUVOIR: a ‘‘mulher’’ como segundo sexo
Ministrantes: Andressa Bessa Machado Lima, Maria do Rosário Soares Lima e Suzele Ferreira da Silva

Inspirado na obra ‘‘O segundo sexo’’ de Beauvoir (1949), este minicurso tem como objetivo realizar um debate/roda de conversa, em torno de como o conceito de mulher foi construído historicamente e culturalmente a partir de uma alteridade masculina. E, sobretudo, praticar uma experiência atenta ao “mundo” que nos rodeia, tendo os conceitos: mulher, feminismo e alteridade como primazia. Consideramos ser importante destacar que a estratégia metodológica adotada no minicurso constituíra-se a partir da conversação e do desenvolvimento de atividades que fomentarão a dinâmica em que os/as participantes dividem-se em dois grupos, sendo que um precisa demarcar o seu espaço através de movimentos corporais (de forma que fique claro para o outro grupo qual é o espaço que cada um escolheu). Posteriormente terão que pensar em situações, emoções e atitudes e, depois terão que classificarem quais são as bem-vindas, e quais não são bem-vindas. E assim, ficar no seu espaço de olhos fechados. Após todos estabelecerem seus espaços; enquanto o segundo grupo terá que transitar por esses ambientes e tentar se comunicar. Para tanto, as pessoas do primeiro grupo estabelecerão critérios, se é possível entrar ou não no seu espaço por meio de expressões corporais. Destacamos que o objetivo é exercitar a assertividade, no sentido de estabelecer liberdades e limites na relação com o outro. Logo após a dinâmica, será feito uma apresentação do livro ‘‘O segundo sexo de Beauvoir (1949)’’, destacando a tese da autora para que, posteriormente, possamos ancorar os debates acerca do feminismo na contemporaneidade, a fim de desenvolver reflexões sobre esse desafio. Este minicurso objetiva, primordialmente, propor às (aos) participantes reflexões de que a mulher deve ser o sujeito de sua própria existência.

16. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO DOCENTE PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS
Ministrantes: Juliana Alves Pereira Capanema

Um dos problemas mais recorrentes no ensino de ciências parece ser a inadequação entre os conceitos científicos abordados e as estratégias de ensino que favoreçam a compreensão dos mesmos. Além disso, o êxito no ensino de ciências e consequentemente na aprendizagem está intimamente ligado ao planejamento das atividades docentes. Antes das aulas acontecerem de fato, o professor necessita  ter claro o que irá ensinar, para quem irá ensinar e como ocorrerá esse ensino. Ao planejar suas aulas, o professor escolhe as estratégias que melhor se adequem aos conceitos que serão estudados, também prepara os materiais didáticos que julga necessário, bem como elabora instrumentos ou atividades para avaliar como está ocorrendo progressão da apropriação de conhecimento. Esse minicurso tem como objetivo refletir sobre a importância do planejamento docente para o processo educativo. O minicurso pretende abordar como os professores de ciências que já atuam ou que futuramente ministrarão aulas podem estar planejando suas atividades, levando em consideração a relação entre objetos de conhecimento e estratégias, bem como a busca contínua dos objetivos de aprendizagem para cada aula. A reflexão proposta se dará de maneira participativa e dialogada. Os recursos necessários para a realização do minicurso são multimídia integrada, quadro branco e pincéis. Com o minicurso, espera-se que os participantes analisem o ensino de ciências e compreendam que no planejamento docente é fundamental ter definido os objetivos, conteúdos, métodos, técnicas, recursos didáticos e formas de avaliação de suas aulas, que saibam selecionar as estratégias de ensino e de avaliação adequadas aos conceitos que irão ensinar, além de se empenhar para produzir material didático que favoreçam o aprendizado dos estudantes.

17. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: PRÁTICAS EXPERIMENTAIS VOLTADAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS UTILIZANDO MATERIAIS DO COTIDIANO
Ministrantes: Glauciene Sodré Fernandes, Thierry de Melo e Milton Fantinell Junior

É notório que a educação tem passado por diversas transformações no processo de ensino/aprendizagem buscando melhorar a interlocução entre o professor e os alunos. Em meio às discussões dos pesquisadores acadêmicos observa-se grande destaque nas pesquisas direcionadas a dinamização das aulas ofertadas com auxílio da experimentação, como laboratórios em sala de aula que utilizam de materiais de baixo custo, para introdução de novos conteúdos ou a sua compreensão/sistematização. Voltado para o ensino de Ciências se torna imprescindível a experimentação, porque por meio da observação dos experimentos realizados proporciona aos alunos a formulação de questionários sobre os fenômenos. Buscando contribuir com o leque de experimentações passíveis de serem realizadas nas aulas de Ciências. Esse minicurso tem como objetivo demonstrar experimentação de baixo custo como uma metodologia de ensino. Será realizado experimentos com duração de 30 minutos para cada um e com intervalos entres eles para sua organização. Para esse minicurso foram selecionados os seguintes experimentos: Normal ou Dietético; Sobe e Desce Químico; Torre de Líquidos; Separação do Álcool e Gasolina; Arte Cromatográfica e Preparando Água Destilada. Espera-se que esse minicurso possibilite a demonstração de ferramentas para auxiliar a compreensão dos conteúdos das aulas de Ciências por meio da experimentação, usando materiais de baixo custo, como metodologia de ensino.

18. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS
Ministrantes: Edinaldo Trindade Gonçalves dos Santos e Jéssica de Oliveira Andrade Borges

O ensino de Ciências na educação básica é de suma importância para o desenvolvimento científico de todos os países, pois todos os avanços tecnológicos são pautados nos conhecimentos científicos. Quando se trata do ensino de Ciências da Natureza o nosso país ainda precisa avançar. Para isso, é necessário que o ensino de Ciências seja desmistificado e deixe de ser considerado como uma disciplina difícil por parte dos estudantes, está por sua vez precisa deixar de ser apresentada como as ciências dos átomos e dos cálculos sem aplicação prática. Aqui se propõe uma discussão sobre como trabalhar os conceitos de ciências tanto na teoria como na prática. Carvalho (2001) afirma que quanto mais o professor dominar os saberes conceituais e metodológicos de seus conhecimentos específicos, mais facilmente ele será capaz de traduzi-los e interpretá- los, visando um ensino de qualidade nas escolas onde atuarão. Diante dessa problemática este trabalho propõem a realização de um minicurso que terá os seguintes objetivos: Discutir as teorias de aprendizagem e metodologias pautadas no construtivismo para o ensino de Ciências no Ensino Fundamental. Proporcionar aos participantes a seleção de conceitos que são trabalhados no ensino fundamental e a construção de material para aulas interativas, dinamizadas e práticas com recursos alternativos. Apresentar exemplos de como é trabalhado o ensino de Ciências da Natureza na Escola Plena de Confresa – MT. Este minicurso será dividido em três etapas. Na primeira será realizada uma roda de conversa com os participantes sobre as teorias de aprendizagem e as metodologias de ensino mais atuais. Em seguida será apresentado os conceitos trabalhados na disciplina de Ciências do Ensino Fundamental para que os participantes escolham um e preparem uma proposta de aula utilizando uma metodologia apresentada e com auxílio de materiais pré- selecionados que estarão disponíveis para aula prática e/ou lúdicas. Em seguida será realizado a socialização com todos os participantes. Para finalizar, será apresentado uma seleção de imagens de como está sendo trabalhado o ensino de Ciências na Escola Plena, escola está que está constituída nos quatro pilares da educação. Esperamos que este minicurso possa proporcionar aos participantes uma visão mais ampla de como trabalhar Ciências no Ensino Fundamental mesmo sem recursos como laboratórios. Desta forma, a relevância deste se dá pela necessidade de professores e futuros professores da área de Ciências da Natureza conheçam metodologias de ensino centrada no estudante e como aplica-las em sala de aula.

19. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: SEPARAÇÃO DE MISTURAS UTILIZANDO MATERIAIS ALTERNATIVOS
Ministrantes: Enilde de Sousa Pereira Maciel e Sergio Silva Santos

O ensino de Química nas escolas públicas, muitas vezes está limitado a aulas tradicionais, reduzindo as possibilidades de informações, definições de leis e conceitos sem nenhuma interação de conteúdo com o cotidiano dos alunos. Este minicurso apresenta uma proposta pedagógica que viabiliza a aplicação de aulas práticas no ensino de Ciências em escolas da rede pública, onde, na maioria das vezes os professores não dispõem de laboratórios e reagentes para desenvolver tal atividade. O minicurso será ofertado durante o III Jenpex “Ensino, Pesquisa e Extensão na formação integral dos sujeitos na região Araguaia Xingu” realizado no dia 01 de novembro de 2019 no IFMT – Campus Confresa, cujo objetivo é capacitar os alunos de Licenciatura (futuros professores) a utilizarem materiais alternativos em suas aulas experimentais, e demostrar que não é necessário um laboratório e reagentes caros para realizar tais atividades, enfatizando a formação de discentes com caráter crítico e investigativo através da atualização e aprofundamento do trabalho de formação com o corpo docente.

20. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: XADREZ NA ESCOLA: um instrumento pluridisciplinar
Ministrantes: Danilo Fernando Luz Oliveira, Domingas Lódia Almeida e Claudete Oliveira Lima Vasconcelos

O objetivo desse minicurso é mostrar a possível relação do jogo de xadrez com o ensino formal buscando argumentar sobre os benefícios que o jogo pode trazer para o desenvolvimento do aluno. Por se tratar de um esporte em sua essência, esse minicurso será ofertado no dia 01/11/2019 (noturno). O minicurso terá, logo no início, uma apresentação formal dos participantes, bem como do responsável pelo minicurso, na sequencia os participantes serão questionados se fazem uso do xadrez e em qual nível estão e como eles imaginam o uso no xadrez no processo de ensino e aprendizagem de alunos. Após esse levantamento diagnostico com os participantes do minicurso, o responsável pelo mesmo fara uma abordagem histórica sobre o uso do xadrez e como o mesmo é empregado nas escolas e por último será trabalhado as técnicas e regras do xadrez com os participantes, tais como, o tabuleiro, as casas e seus nomes, nome das peças, posição inicial das peças no trabalho e o movimento das peças. 12 Tabuleiros de Xadrez; 12 Mesas (servirão como apoio); 26 Cadeiras (servirão para o acento dos participantes); Data show; Caixa de som. O xadrez é, sem dúvidas, uma ferramenta didática facilitadora, pois não depende de novas tecnologias e materiais inovadores e caros, necessitam apenas de um pequeno tabuleiro, 32 peças e o ensinamento de um dos jogos mais antigos da humanidade. É uma atividade que não precisa de uma infraestrutura ampla (o xadrez é adaptável a qualquer ambiente em que estivermos), o material é simples e fácil de transportar, tem uma vida útil longa. Além do mais proporciona ao aluno uma melhor condição de raciocínio e consequentemente concentração, gerando, com isso, um avanço no nível escolar e apreensão dos temas escolares (Oliveira; Galvão, 2013, p. 4-5). De acordo com Rezende (2005): “Utilizando o jogo de xadrez como ferramenta, volta-se mais para o desenvolvimento educacional pleno da criança, sem descurar de todos os atributos educacionais necessários ao desenvolvimento global e sistematizado do homem moderno, sejam eles puramente afetos ao sistema de ensino-aprendizagem, sejam relativos a fatores de ordem psicológica e social. O xadrez, enquanto instrumento de educação, estimula na criança a atitude de compartilhar o seu pensamento, o seu raciocínio e suas ideias com o outro, fator de interação tão necessário para a auto realização do homem inserido no contexto social do nosso ecossistema planetário e cósmico. Com este minicurso, espera-se que os participantes sejam incentivados e desperte a vontade pelo ensino e a prática do Xadrez em suas escolas, por acreditar que essa atividade extracurricular contribui no desenvolvimento da inteligência, do raciocínio lógico, e das emoções dos seus praticantes, oportunizando assim possibilidades de êxito pessoal, acadêmico e profissional.

21. Eixo temático: Educação
Título do Minicurso: INTRODUÇÃO AO MÉTODO CIENTÍFICO
Ministrantes: Andrielle Naiara Silva Costa e Pedro Henrique Freire Cardoso

O conhecimento científico estuda os instrumentos necessários para a construção de pesquisas científicas, de forma sistemática, auxilia na elaboração de análises teóricas e práticas do conhecimento. Ao longo dos estudos acadêmicos, os estudantes possuem diversas dificuldades relacionadas ao método científico, como desconhecimento de normas básicas de elaboração de um trabalho científico, assim como a estrutura dos mesmos, procedimentos da pesquisa bibliográfica e construção de citações. Essas dificuldades impedem os estudantes a abrirem seu olhar para a pesquisa, uma área em que poucos se interessam por ser considerada uma atividade ardilosa. Mediante essa problemática pretende-se através dessa minicurso instrumentalizar os participantes na produção de textos científicos, utilizando os fundamentos da Metodologia Científica e no exercício da leitura crítica. Para tal se fará utilização de Datashow, artigos científicos, resumos simples e expandidos impressos, além do quadro de vidro e os pincéis. O minicurso consistirá em uma exposição dialogada com os participantes que abordará os seguintes temas, etapas do método científico, documentos científicos e suas estruturas, normas ABNT, procedimentos de pesquisa bibliográfica e modelos e exemplos de produção científica. Com a ministração desse minicurso espera-se a inserção do participante no meio acadêmico - científico desenvolvendo o hábito que perdure durante sua vida, assim como a construção do pensamento crítico.

22. Eixo temático: Gestão, negócios e comunidade
Título do Minicurso: EM PAUTA A ECONOMIA DOMÉSTICA: alternativas para a estabilidade financeira
Ministrantes: Alex Nunes da Silva, Lucineide Sales da Silva e Samara Sales da Silva Reis

Uma maneira das pessoas controlar suas finanças e buscar a estabilidade  financeira da família é por meio da economia doméstica. A economia doméstica recorre a vários meios de controle financeiro, principalmente pela mudança de hábitos de consumo. Também observa a economia das contas fixas, tais como a conta da água, o consumo de energia, despesas com alimentação, vestuário e outras. Nesse sentido, o presente minicurso tem como objetivo proporcionar noções para que os participantes utilizem da economia doméstica em suas práticas cotidianas. No minicurso serão discutidos os conceitos envolvidos, as maneiras de viabilizar a economia doméstica e o controle financeiro familiar, além de abordar o caráter sustentável da economia doméstica, pois ela auxilia no processo de preservação da natureza. Espera-se que os participantes compreendam a importância da economia doméstica por meio das questões cotidianas que serão discutidas, bem como pelos exemplos relacionados ao uso de recursos e organização financeira.

início do rodapé

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - Campus Confresa

Av. VIlmar Fernandes, 300 - CEP: 78652-000

Telefone: (66) 3564-2600

Confresa/MT